segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Ele...

Abraço chegando
Eu esperando
Por ele ali.

Tempo desmoronando
Eu ansiando
Por ele, ali.

De longe
De longe, vi
Ele

Abraço,cheiro trouxe.
Rosto Calmo,camisa limpa
Corpo quente e morno
Em vermelho
Vem andando
Eu ali.
Agora ao lado dele.


Naiana P. de Freitas @18/11/09 risos.

domingo, 16 de agosto de 2009

RECOMENDO:Preciosidade, CLARICE LISPECTOR. IN: Laços de família.São Paulo:José Olympio95-108.


De manhã cedo era sempre a mesma coisa renovada: acordar. O que era vagaroso, desdobrado, vasto. Vastamente ela abria os olhos.
Tinha quinze anos e não era bonita. Mas por dentro da magreza, a vastidão quase majestosa em que se movia como dentro de uma meditação. E dentro da nebulosidade algo precioso. Que não se espreguiçava, não se comprometia, não se contaminava. Que era intenso com uma jóia. Ela.
Acordava antes de todos, pois para ir à escola teria de pegar um ônibus e um bonde, o que lhe tomaria uma hora. De devaneio agudo com um crime. O vento da manhã violentando a janela e o rosto até que os lábios ficavam duros, gelados. Então ela sorria. Como se sorrir fosse em si um objetivo. Tudo isso aconteceria se tivesse a sorte de "ninguém olhar para ela".
Quando de madrugada se levantava - passado o instante de vastidão em que se desenrolava toda - vestia-se correndo, mentia para si mesmo que não havia tempo de tomar banho e a família adormecida jamais adivinhara quãos poucos ela tomava. Sob a luz acesa da sala de jantar, engolia o café que a empregada, se começando no escuro da cozinha, requentara. Mal tocava no pão que a manteiga não amolecia. Com a boca fresca de jejum, os livros embaixo do braço, abria enfim a porta, transpunha a mornidão insossa da casa, galgando-se para a gélida fruição da manhã. Então já não se apressava mais.
Tinha que atravessar a longa rua deserta até alcançar a avenida, do fim da qual um ônibus emergiria cambaleando dentro da névoa, com as luzes da noite ainda acesas no farol. Ao vento de junho, o ato misterioso, autoritário e perfeito era erguer o braço - e já de longe o ônibus trêmulo começava a se deformar obedecendo à arrogância de seu corpo, representante de um poder supremo, de longe o ônibus começava a tornar-se incerto e vagaroso, vagaroso e avançando, cada vez mais concreto - até estacar no seu rosto em fumaça e calor, em calor e fumaça. Então subia, séria como uma missionária, por causa dos operários no ônibus que "poderiam dizer-lhe alguma coisa". Aqueles homens que não eram mais rapazes. Mas também de rapazes tinha medo, medo também de meninos. Medo que lhe "dissessem alguma coisa", que a olhassem muito. Na gravidade da boca fechada havia a grande súplica: respeitassem-na. Mais que isso. Como se tivesse prestado voto, era obrigada a ser venerada, e, enquanto por dentro o coração batia de medo, também ela se venerava, ela a depositária de um ritmo. Se a olhavam ficava rígida e dolorosa. O que a poupava é que os homens não a viam. Embora alguma coisa nela, a medida que dezesseis anos se aproximava emf umaça e calor, alguma coisa estivesse intensamente surpreendida - e isso surpreendesse alguns homens. Como se alguém lhes tivesse tocado no ombro. Uma sombra talvez. No chão a enorme sombra de moça sem homem, cristalizável elemento incerto que fazia parte da monótona geometria das grandes cerimônias públicas. Como se lhes tivessem tocado no ombro. Eles olhavam e não a viam. Ela fazia mais sombra do que existia.
No ônibus os operários eram silenciosos com a marmita na mão, o sono ainda no rosto. Ela sentia vergonha de não confiar neles, que eram cansados. Mas até que os esquecesse, o desconforto. É que eles "sabiam". E como também ela sabia, então o desconforto. Todos sabiam o mesmo. Também seu pai sabia. Um velho pedindo esmola sabia. A riqueza distibuída, e o silêncio.
Depois, com o andar de soldado, atravessava - incólume - o Largo da Lapa, onde era dia. A essa algura a batalha estava quase ganha. Escolhia no bonde um banco, se possível vazio ou, se tivesse sorte, sentava-se ao lado de alguma asseguradora mulher com uma trouxa de roupa no colo, por exemplo - e era a primeira trégua. ainda teria de enfrentar na escola o longo corredor onde os colegas estariam de pé conversando, e ond eos tacos de seus sapatos faziam um ruído que as pernas tensas não podiam conter como se ela quisesse inutilmente fazer parar de bater um coração, sapatos com dança própria. Fazia-se um vago silêncio entre os rapazes, talvez sentissem, sob o seu disfarce, que ela era uma das devotas. Passava entre as alas dos colegas crescendo, e eles não sabiam o que pensar nem como comentá-la. Era feio o ruído de seus sapatos. Rompia o próprio segredo com tacos de madeira. Se o corredos demorasse um pouco mais, ela esqueceria seu destino e correria com as mão tapando os ouvidos. Só tinha sapatos duráveis. Como se fossem ainda os mesmos que em solenidade lhe haviam calçado quando nascera. Atravessava o corredor interminável com a um silêncio de trincheira, e no seu rosto havia algo tão feroz - e soberbo também, por causa de sua sombra - que ninguém lhe dizia nada. Proibitiva, ela os impedia de pensar.
Até que, enfim, a classe de aula. Onde de repente tudo se tornava sem importância e mais rápido e leve, onde seu rosto tinha algumas sardas, os cabelos caíam nos olhos, e onde ela tratada como um rapaz. Onde era inteligente. A astuciosa profissão. Parecia ter estudado em casa. Sua curiosidade informava-lhe mais que respostas. Adivinhava, sentindo na boca o gosto cítrico das dores heróicas, adivinhava a repulsão fascinada que sua cabeça pensante criava nos colegas, que, de novo, não sabiam como comentá-la. Cada vez mais a grande fingia se tornava inteligente. Aprendera a pensar. O sacrifício necessário: assim "ninguém tinha coragem".
Às vezes, enquanto o professor falava, ela, intensa, nebulosa, fazia riscos simétricos n0 caderno. Se um risco, que tinha que ser ao mesmo tempo forte e delicado, saía fora do círculo imaginário em que deveria caber, tudo desabaria: ela se concentrava ausente, guiada pela avidez do ideal. Às vezes em vez de riscos, desenhava estrelas, estrelas, estrelas, tantas e tão altas que desse trabalho anunciador saía exausta, erguendo uma cabeça mal acordada.
A volta para casa era tão cheia de fome que a impaciência e o ódio roíam seu coração. Na volta parecia outra cidade: no Largo da Lapa centenas de pessoas reverberadas pela fome pareciam ter esquecido e, se lhes lembrassem, arreganhariam dentes. O sol delineava cada homem com carvão preto. Sua própria sombra era uma estaca negra. Nesta hora em que o cuidado tinha que ser maior, ela era protegida pela espécie de feiúra que a fome acentuava, seus traços escurecidos pela adrenalina que escurecia a carne dos animais de caça. Na casa vazia, toda a família na repartição, gritava com a empregada que nem sequer lhe respondia. Comia como um centauro. Acara perto do prato, os cabelos quase na comida.
-Magrinha, mas como devora, dizia a empregada esperta.
-Pro diabo, gritava-lhe sombria
Na casa vazia, sozinha com a empregada, já não andava como um soldado, já não precisava tomar cuidado. Mas sentia falta da batalha das ruas. Melancolia da liberdade, com o horizonte ainda tão longe. Dera-se ao horizonte. Mas a nostalgia do presente. O aprendizado da paciência, o juramento da espera. Do qual talvez não soubesse jamais se livrar. A tarde transformando-se em interminável e, até todos voltarem para o jantar e ela poder se tornar com alívio uma filha, era o calor, o livro aberto e depois fechado, uma intuição, o calor: sentava-se com a cabeça entre as mãos, desesperada. Quando tinha dez anos, relembrou, um menino que a amava jogara-lhe um rato morto. Porcaria! berrara branca com a ofensa. Fora uma experiência. Jamais contara a niguém. Com a cabeça entre as mãos, sentada. Dizia-se quinze vezes: sou vigorosa, sou vigorosa, sou vigorosa - depois percebia que apenas prestara atenção à contagem. Suprindo com a quantidade, disse mais uma vez: sou vigorosa, dezesseis. E já não estava à mercê de ninguém. Desesperada porque, vigorosa, livre, não estava mais à mercê. Perdera a fé. Foi conversar com a empregada, antiga sacerdotisa. Elas se reconheciam. As duas descalças, de pé na cozinha, a fumaça do fogão. Perdera a fé, mas, à beira da graça, procurava na empregada apenas o que esta já perdera, não o que a ganhara. Fazia-se pois distraída e, conversando, evitava a conversa. "Ela imagina que na minha idade devo saber mais do que sei e é capaz de me ensinar alguma coisa", pensou, a cabeça entre as mãos, defendendo a ignorância como a um corpo. Faltavam-lhe elementos, mas não os queria de quem já os esquecera. A grande espera fazia parte. Dentro da vastidão, maquinando.
Tudo isso, sim. Longo, cansado, a exasperação. Mas na madrugada seguinte, como uma avestruz lenta se abre, ela acordava. Acordou no mesmo mistério intacto, abrindo os olhos ela era a princesa do mistério intacto.
Como se a fábrica já tivesse apitado, vestiu-se correndo, bebeu de um sorvo o café. Abriu a porta de casa.
E então já não apressou-se mais. A grande imolação das ruas. Sonsa, atenta, mulher de apache. Parte rude ritmo de um ritual.
Era uma manhã ainda mais fria e escura que as outras, ela estremeceu no suéter. Abranca nebulosidade deixava o fim da rua invisível. Tudo estava algodoado, não se ouviu sequer o ruído de algum ônibus que passasse pela avenida. foi andando para o imprevisível da rua. As casas dormiam nas portas fechadas. Os jardins endurecidos de frio. No ar escuro, mais que no céu, no meio da rua uma estrela. UMa grande estrela de gelo que não voltara ainda, incerta no ar, úmida, informe. Surpreendida no seu atraso, arredondava-se na hesitação. Ela olhou a estrela próxima. Caminhava sozinha na cidade bombardeada.
Não, ela não estava sozinha. Com os olhos franzidos pela incredulidade, no fim longínquo de sua rua, de dentro do vapor, viu dois homens. Dois rapazes vindo. Olhou ao redor como se pudesse ter errado de rua ou de cidade. Mas errara os minutos: saíra de casa antes que a estrela e dois homens tivessem tempo de sumir. Seu coração se espantou.
O primeiro impulso, diante de seu erro, foi o de refazer para trás os passos dados e entrar em casa até que eles passassem: "Eles vão olhar pra mim, eu si, não há mais ninguém para eles olharem e eles vão me olhar muito!" Mas como voltar e fugir, se nascera para a dificuldade. Se toda a sua lenta preparação tinha o destino ignorado a que ela, por culto, tinha que aderir. Como recuar, e depois nunca mais esquecer a vergonha de ter esperado em miséria atrás de uma porta?
E mesmo talvez não houvesse perigo. Eles não teriam coragem de dizer nada porque ela passaria com o andar duro, de boca fechada, no seu ritmo espanhol.
De pernas heróicas, continuou a andar. Cada vez que se aproximava, eles também se aproximavam - então todos se aproximava, a rua ficou cada vez um pouco mais curta. Os sapatos dos dois rapazes misturavam-se ao ruído de seus próprios sapatos, era ruim ouvir. Era insistente ouvir. Os sapatos eram ocos ou a calçada era oca. A pedra do chão avisava. Tudo era eco e ela ouvia, sem poder impedir, o silêncio do cerco comunicando-se pelas ruas do bairro, e via, sem poder impedir, que as portar mais fechadas haviam ficado. Mesmo a estrela retirara-se. Na nova palidez da escuridão, a rua entregue aos três. Ela andava, ouvia os homens, já que não poderia olhá-los e já que precisava sabê-los. Ela os ouvia e surpreendia-se com a própria coragem em continuar. Mas não era coragem. Era o dom. E a grande vocação para um destino. Ela avançava, sofrendo em obedecer. Se conseguisse pensar em outra coisa, não ouviria os sapatos. Nem o que eles pudessem dizer. Nem o silêncio com que se cruzariam.
Com brusca rigidez olhou-os. Quando menos esperava, traindo o voto de segredo, viu-os rápida. Eles sorriam? Não, estavam sérios.
Não deveria ter visto. Porque, vendo, ela por um instante arriscava-se a tornar-se individual, e também eles. Era do que parecia ter sido avisada: enquanto executasse um mundo clássico, enquanto fosse impessoal, seria filha dos deuses, e assistida pelo que tem que ser feito. Mas, tendo viso o que olhos, ao vere, diminuem, arriscara-se a ser um ela-mesma que a tradição não amparava. Por um instante hesitou toda, perdida de um rumo. Mas era tarde demais para recuar. Só que não seria tarde demais se correse. Mas correr seria como errar todos os passos, e perder o ritmo que ainda a sustentava, o ritmo que era o seu único talismã, o que lhe fôra entregue à orla do mundo onde era pra ser sozinha - à orla do mundo onde se tinham apagado todas as lembranças, e como incompreensível lembrete restara o cego talismão, ritmo que era de seu destino copiar, executando-o para a consumação do mundo. Não a própria. Se ela corresse a ordem se alteraria. E nunca lhe seria perdoado o pior: a pressa. E mesmo quando se foge correm atrás, são coisas que se sabem.
Rígida, catequista, sem alterar por ums egundo a lentidão com que avançava, ela avançava. "Eles vão olhar pra mim, eu sei!" Mas tentava por instinto de uma vida anterior, não lhes transmitir susto. Adivinhava o que o medo desencadeia. Ia ser rápido, sem dor. Só por uma fração de segundos se cruzariam, rápido, instantâneo, por causa da vantagem a seu favor dela estar em movimento e deles virem em movimento contrário, o que faria com que o instante se reduzisse ao essencial necessário - à queda do primeiro dos sete mistérios que tão secretos eram que deles ficara apenas uma sabedoria: o número sete. Fazei com que eles não digam nada, fazei com que eles só pensem, pensar eu deixo. Ia ser rápido, e um segundo depois da transposição ela diria maravilhada, galgando-se para outras e outras ruas: quase não doeu. Mas o que se seguiu não teve explicação.
O que se seguiu foram quatro mãos difíceis, foram quatro mãos que não sabiam o que queriam, quatro mãos erradas de quem não tinha a vocação, quatro mãos que a tocaram tão inesperadamente que ela fez a coisa mais certa que poderia ter feito no mundo dos movimentos: ficou paralisada. Eles, cujo papel predeterminado era apenas o de passar junto do escuro de seu medo, e então o primeiro dos sete mistérios cairia; eles que representariam apenas o horizonte de um só passo aproximado, eles não compreenderam a funçào que tinham e, com a individualidade dos que têm medo, haviam atacado. Foi menos de uma fração de segundo na rua tranquila. Numa fração de segundo a tocaram com se a eles coubessem todos os sete mistérios. Que ela conservou todos, e mais larva se tornou, e mais sete anos de atraso.
Ela não os olhou porque sua cara ficou voltada com serenidade para o nada.
Mas pela pressa com que a magoaram, soube que eles tinham mais medo do que ela. Tão assustados que já não estavam mais ali. Corriam. "Tinham medo que ela gritasse e as portas das casas uma por uma se abrissem", raciocinou, eles não sabiam que não se grita.
Ficou de pé, ouvindo com tranqüila loucura os sapatos deles em fuga. A calçada ou era oca, ou os sapatos eram ocos ou ela própria era oca. No oco dos sapatos deles ouvia atenta o medo dos dois. O som batia nítido nas lajes como se batessem à porta sem parar e ela esperasse que desistissem. Tão nítido na nudez da pedra que o sapateado não parecia distanciar-se: era ali a seus pés, com um sapateado de vitória. De pé, ela não tinha por onde se sustentar senão pelos ouvidos.
A sonoridade não esmorecia, o afastamento era-lhe transmitido por um apressado cada vez mais preciso de tacos. Os tacos não ecoavam mais na pedra, ecoavam no ar como castanholas cada vez mais delicadas. Depois percebeu que há muito não ouvia nenhum som.
E, trazidos de volta pela brisa, o silêncio e uma rua vazia.
Até esse instante mantivera-se quieta, de pé no meio da calçada. Então, como se houvesse várias etapas da mesma imobilidade, ficou parada. Daí a pouco suspirou. E em nova etapa manteve-se parada. Depois mexeu a cabeça, e então ficou mais profundamente parada.
Depois recuou devagar até um muro, corcunda, bem devagar, como se tivesse um braço quebrado, até que se encostou toda no muro, onde ficou inscrita. E então manteve-se parada. Não se mover é o que importa, pensou de longe, não se mover. Depois de um tempo, provavelmente ter-se-ia dito assim: agora mova um pouco as pernas mas bem devagar. Porque, bem devagar, moveu as pernas. Depois do que, suspirou e ficou quieta olhando, Ainda estava escuro.
Depois amanheceu.
Devagar reuniu os livros espalhados pelo chão. Mais adiante estava o caderno aberto.Quando se abaixou para recolhê-lo, viu a letra redonda e graúda que até esta manhã fôra sua.
Então saiu. Sem saber com que enchera o tempo, senão com passos e passos, chegou à escola com mais de duas horas de atraso. Como não tinha pensado em nada, não sabia que o tempo decorrera. Pela presença do professor de Latim constatou com uma surpresa polida que na classe já haviam começado a terceira hora.
-Que foi que te aconteceu? sussurrou a menina da carteiraa ao lado
-Por quê?
-Você está branca. Está sentindo alguma coisa?
-Não, disse tão claro que vários colegas olharam-na. Levaantou-se e disse bem alto:
-Dá licença!
Foi para o lavatório. Onde, diante do grande silêncio dos ladrilhos, gritou aguda, supersônica: Estou sozinha no mundo! Nunca ninguém vai me ajudar, nunca ninguém vai me amar! Estou sozinha no mundo!
Estava ali perdendo também a terceira aula, no longo banco do lavatório, em frente a várias pias. "Não faz mal, depois copio os pontos, peço emprestado os cadernos para copiar em casa - estou sozinha no mundo!", interrompeu-se batendo várias vezes a mão fechada no banco. O ruído dos quatro sapatos de repende começou como uma chuva miúda e rápida. Ruído cego, nada se refletiu nos ladrilhos brilhantes. Só a nitidez de cada sapato que não se emaranhou nenhuma vez com outro sapato. Como nozes caindo. Era só esperar como se espera que parem de bater à porta. Então pararam.
Quando foi molhar os cabelos diante do espelho, ela era tão feia.
Ela possuía tão pouco, e eles haviam tocado.
Ela era tão feia e preciosa.
Estava pálida, os traços afinados. As mãos, umedecendo os cabelos, sujas de tinta ainda do dia anterior. "Preciso cuidar mais de mim", pensou. Não sabia como. A verdade é que cada vez sabia menos como. A expressão do nariz era a de um focinho apontando na cerca.
Voltou ao banco e ficou quieta, com um focinho. "Uma pessoa não é nada." "Não", retrucou-se em mole protesto, "não diga isso", pensou com bondade e melancolia. "Uma pessoa é alguma coisa", disse por gentileza.
Mas no jantar a vida tomou um senso imediato e histérico:
-Preciso de sapatos novos! os meus fazem muito barulho, uuma mulher não pode andar com salto de madeira, chama muita atenção! Ninguém me dá nada! Ninguém me dá nada! - e estava tão frenética e estertorada que ninguém teve coragem de lhe dizer que não os ganharia. Só disseram:
-Você não é uma mulher e todo salto é de madeira.
Até que, assim como uma pessoa engorda, ela deixou, sem saber por que processo, de ser preciosa. Há uma obscura lei que faz com que se proteja o ovo até que nasça o pinto, pássaro de fogo.
E ela ganhou os sapatos novos.

domingo, 2 de agosto de 2009

Os espaços intervalares da fama em um congresso de Linguistica histórica...e Clarice Lispector


Era para ser esse o título de uma quase crônica que pensei produzir.

No entanto, fugiu a inspiração e sobrou excesso de Clarice Lispector.Explico: Participei de um congresso. Essencialmente acadêmico, nada de especial. Pensava assim. O evento ao contrário me provou outra coisa. Existem muitos fãns na Universidade. Fãns de carteirinha, que compram livros para receber autográfos e etc...e ainda figem a ausência de tietagem no espaço inteligentissímo da universidade . Ser famoso é para poucos nestes eventos admito. No entanto, os poucos minguados, tornam-se "pop-star". Fui nocateada por tantos flashs...Perdi minha timidez ao ponto de fotografar dr. não sei de onde, dra. da USp etc..e nem sabia porque. risos.

Até briga presenciei. Sim briga acadêmica. São as melhores porque chega a um ponto que você nem sabe o que discutem ou se o dialógo esta em português. coisas estranhas. Agora desconverso, era para ter falado do último livro que li de Clarice: Àgua viva. Livro insuportávelmente perfeito. diálogo entre mim e ele insuportável. Mas acho que depois faço essa resenha a minha moda..no entanto n posso deixar de dizer: "O que estraga a felicidade é medo" p.61.


Então perco o medo e posto uma foto.

a foto de alguém DESFAMOSO.

EU MESMA.

Naiana Freitas.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Rubra*

Desde que se vira como gente: mulher. Ela negara o vermelho. Vermelho forte, azedo... Jamais cintilante. Ela Procurava no armário uma roupa vermelha e não encontrava porque esta cor não habitava o seu ser. Ela apenas expelia muitas vezes com dor e nunca alegria, a cor. Poderiam ter perguntado se ela aceitaria o sim. Sim, aceito esta cor para mim. Não perguntaram. A natureza, dizem, escreve certo por linhas tortas e vermelhas no corpo feminino. Não se dobrava a natureza. De repente viu-se dobrada diante dele.Ele ali parado na rua. Ele com o corpo cinza, meio prateado. Ele aproximou-se, abriu a mão com uma flor rubra, puro sangue, cintilante. Ela assustou-se deu um passo para trás. Nunca vira cor igual. Jamais... Assim desejou aquela cor naquela flor ali. Desejou a mão e o corpo inteiro daquele homem ali parado.
Naiana P.de Freitas*27/06/09

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Neologismo -Manuel Bandeira-sem neologismo meu!


Neologismo
Beijo pouco, falo menos ainda.
Mas invento palavras
Que traduzem a ternura mais funda
E mais cotidiana.
Inventei, por exemplo, o verbo teadorar.
Intransitivo:Teadoro, Teodora.

história em lance...

História em lance
Vi hoje uma mulher nua na rua.
Atravessou pelos carros em câmera lenta, tão lenta, mesmo assim ninguém notou. Ninguém. O que era então? Não Era uma mulher despida?
Na verdade, vi sem olhos de escândalo, os outros também não, porque não viram.
Aquilo era um corpo andante, murcho, sem lances de luz, apagado, triste, só. Somente um corpo na desventura de ser somente isto.
Volto ao corpo, olhando em volta, o sol escaldante de Salvador e aquele corpo ali de pé, ainda vivo. Em relance, rápido de dentro do ônibus aquela cena em lentidão.
O ônibus passou e eu também.
Aquela cena, no entanto, ficou suspensa no tempo.
19/09/07

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Dois que se sentem...

Dois que se sentem..
Fico longe dele. Longe
De cá sinto ternura, desejo.
Não são doses exatas de ambas, porque não sou metade, sou inteira
Quando perto acalmo o desejo e jamais a ternura.
Disparam cada uma a seu lado,
Vencendo não sei o quê...

Em um instante param juntas, se fortalecem e abarcam outros sentimentos e outros desejos.
Desejo e ternura, não são inimigos, mas de vez em quando medem forças. Força que une e não separa. Não faz metade, Faz inteiro. Humano desejo completa a alma ternura? Sim disse: sou inteira não metade. (05/01/07. Npf)

sábado, 27 de junho de 2009

"Dia de verão"

a gravura que mais gosto de GEORGINA DE ALBUQUERQUE (1926)chama-se Dia de verão, óleo sobre tela . Aprecio por ser curioso, o que esta mulher olha? e também por ser a ilustração de capa do livro História das mulheres no Brasil organizado por Mary Del Priore.

















segunda-feira, 22 de junho de 2009



Hoje...

Somente

nós na estrada.

lá onde a curva dá

estamos.

[risos..]

FOTO TIRADA DO PARQUE DA CIDADE SSA/BA

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Onde se encontra a tradução do amor por Louise Labé.

Também traduzo, palavras minhas pensadas por outros. Ou dos outros que penso ser minhas. Encontrei-me com Labé, não ao acaso. Ela surgiu por meio de mãos que me conhecem, além de mim. E esse ser além de mim, acertou profundamente quando deu-me os sonetos, fez-me traduzi-los e encontrar-me comigo mesma. Com minha pouca leitura sobre Louise, a vejo intensa e triste, uma Clarice, Maria, uma eu talvez. Assim, traduzi estes versos, na tentativa de aproximar-me desta poetisa e descobrir os maiores desafios: Viver e amar.


SONNET VIII
I live, I burn, I drown and I die
Eu vivo, eu queimo, eu afogo-me e morro.
I endure at once chill and cold;
Eu suporto uma vez o desanimo e frieza.
Life is too hard and too soft to hold;
(a) vida é demasiado difícil e demasiado suave para segurar.
I am joyful and sad, don't ask me why.
Eu estou contente e triste, não me pergunte porque.
Suddenly I laugh and at the same time cry
Repentinamente eu gargalho e em algum tempo choro.
And as I'm happy I must endure grief,
E como eu estou feliz eu devo suportar a pena.
It lasts forever and goes like a thief,
Ultimamente e eternamente ir como um ladrão.
Suddenly I bloom and vanish into sigh.
Repentinamente eu desabrocho e desapareço em um suspiro.
Thus I suffer Amors' inconstancy
Assim Eu sofro Amor inconstantemente
And when I think I am in great pain,
E quando eu penso eu estou em grande dor.
Without thinking, it is gone again.
Sem o pensamento , estas indo novamente.
Then when my joy is a certainty
Assim quando minha alegria é uma certeza.
And my longing for love is not in vain,
E meu anseio por amor não é em vão,
I am in pain all over once again.
Por toda à parte eu estou em dor novamente.

Naiana P. Freitas, 20 de feverreiro de 2009.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

ALÉM DA JANELA
Os pingos d´água caem lá fora. Ela da janela sozinha observa-os. Eles possuem objetivo,sentido,motivo. Sua vida passa,perpassa,remói. Olha os pingos novamente,caem conscientes de serem causadores de chuva.chuva causada por pingos.Vida motivada pr choro. choro abafado e só. A dança contínua da água. E nãoa dança de vida nela. Outro dia, haverá trovões e tempestades. Ela sufocou no peito todas as chamas, só restaram dramas e nem tempo há. Tempo. Não pode recomeçar. No quarto paredes brancas.Lembranças de um nada que jamais ousou possuir.A chuva intensificou as lágrimas tímidas. A primeira vez que passaram a ser contentes. Sem tempo,Suspiro.Naiana P. de Freitas, dezembro 2007.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Alguns Trechos não meus...que inspiraram-me talvez.

" Então,sabendo que ele a estava observando,em vez de dizer qualquer coisa,ela se voltou,sempre com a meia na mão, e olhou para ele.E ao fazê-lo,começou a sorrir,pois embora ela não tivesse pronunciadouma só palavra,sabia ele,sabia-o com certeza, que ela o amava." V. Woolf.( p. 129. Passeio ao farol).

"Não sei porque nasceu em mim desde sempre a idéia profunda de que sem ser única nada é possívell"C. Lispector


" A carne é um peso díficil de se carregar. Mas é díficil o que nos incumbiram, quase tudo o que é grave é díficil: e tudo é grave."RAINER MARIA RILKE, Cartas a um Jovem poeta. p. 38

domingo, 18 de janeiro de 2009

CRÍTICA A RELEITURA DE UMA OBRA ARTÍSTICA


Critica a releitura de uma obra artística


Escolher e conseqüentemente criticar é uma capacidade inerente do ser humano. Escolhemos se tal blusa é melhor que aquela, se a cor agrada ou desagrada, se assistir aquele filme valerá á pena. Para isso, comparamos e acrescentamos valor naquilo que identificamos como “nossa cara” e se aquilo se afasta do nosso jeito de ser ,logo imprimimos uma critica acompanhada de uma adjetivação menor.A vida humana está repleta de releituras,seja de um acontecimento que você viu ao passar de ônibus, seja de um livro que você terminou de ler. Por isso, acredito que uma releitura de uma obra artística é uma forma de critica. Logo, como poderei utilizar minha capacidade de escolher e criticar, se isso já foi feito pelos estudantes desta classe? Como estudante de letras poderia dizer que é uma critica de segunda mão e não haverá problema algum, porque somos especialistas na arte de inventar coisas novas. Se a critica é uma escolha e dizem por aqui que escolher qualificando é canonizar. E escolher desqualificando é excluir.Não criticarei nada. Já que posso realizar esta comparação ali mesmo na esquina, longe de qualquer sujeito que possa me dizer: “essa sua crítica, hein? É especializada!” Mesmo assim, “especializada ou desespecializada” a critica de segunda mão é aclamada e eu não posso fugir. Então, farei uma leitura sobre as releituras que ocorreram aqui (mas isso não seria uma critica? Com outro nome?). Observei que as representações femininas estavam passeando pela aula inteira. Foram “somente” quatro releituras sobre a personagem Macabéia.Oferecendo a ela um destino que não fosse a morte em vida.Seguida por uma Geni, que cansou de ser a boba. Ela encontrou com uma menininha cheia de poderes. Com a vontade de deixar de ser bestinha.Depois, se bateram com uma tal de Éster muito complicada e mudaram de rota. Caminhando avançaram até encontrar uma bela alemã espevitada. Que estava conversando com uma Capitu que não morreu. Bateram na casa de uma professora de arte desempregada que decidia o que ver na tv, seria um desenho?Depois cansaram e pararam em uma praça onde um homem quase bêbado recitava sonetos para um amor distante. Distante e não morto. Como as releituras transmitidas.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

FELIZ TARIFA NOVA...

Feliz tarifa nova!
Naiana P. de Freitas.



Se hoje,2 de janeiro de 2009, nós perguntássemos a uma criança soteropolitana: o que você quer ser quando crescer? Ela possivelmente responderia: VEREADORA. Por que? É o emprego mais seguro em época de crise financeira, conquistável pois se exige um insuficiente ensino médio. Não é necessário saber inglês, francês, computação..esqueça este clichê moderno: seja um profissional global!. Eles são eleitos e conquistam a coroa com o poder. Aquele que era bonzinho, professor, médico torna-se o defensor do povo, apenas no discurso é claro. Somente o discurso é tão valoroso. Apenas com o discurso e com o excesso de inércia, eles garantem os vencimentos que somam e ultrapassam a casa de R$ 9000. E quando tomam posse daquela preciosa cadeira da câmara. Defendem a si próprios.Clamam por assistência, benefícios com tanta ira e decência. E em conseqüência o eleitorado é esquecido, menosprezado..A lógica destes senhores do poder é lúcida. Veja-se porque: somos 40 na assembléia, é muito pouco para quase 3 milhões de soteropolitanos. È pesado, por conta disso sofremos com acúmulo de funções..E assim o poder permanece nas mãos sagazes de poucos. Se são poucos os escolhidos, é bom desde cedo incutir na cabeça de seus filhos, sobrinhos, afilhados: Seja um vereador profissional! Assim em 2013 será possível usufruir as graças provindas dos cofres públicos. E continuar a garantir um acréscimo de quase 30% em seus “Vereadizíacos” vencimentos. E em contrapartida oferecer ao povo com todo prazer e calor um aumento de 20% na tarifa de ônibus. Pela lógica política é um aumento imperceptível. Acredito que seria se fossem descontados dos R$ 9000 recebidos para fazer muita graça.Bobos em uma corte em que borbulham a violência, as alagações, os estupidamente cheios transportes urbanos. Aliás, é preferível ser um bobo rico do que um bobo pobre, excluído e esperançoso. Desejo-lhes a vocês uma FELIZ TARIFA NOVA! Desejemos juntos, assim praticaremos a solidariedade.