sábado, 5 de fevereiro de 2011

Trechos do prefácio do livro: O retrato de Dorian Gray


Não existe isto de  livros morais ou imorais. Livros são coisas bem escritas ou mal escritas. E só.”

“Nenhum artista deseja provar coisa alguma. Até mesmo as coisas verdadeiras podem ser provadas”.

“A única desculpa para fazer uma coisa útil é que a admiramos com intensidade.”


Trechos do prefácio do livro: Wilde, Oscar. O retrato de Dorian Gray: tradução de José Eduardo ribeiro Moretzsonh. São Paulo: abril, 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada!!!