domingo, 31 de julho de 2011

Os pensamentos de Isabella por Woolf.


Os pensamentos de Isabella por Woolf.

“[...] Assim, pois, ali em pé, ela ficou pensando. Sem formular qualquer ideia precisa- porque era uma dessas pessoas cujas mentes têm pensamentos enredados em nuvens de  silêncio-, via-se repleta de ideias. Suma mente era como sua sala, na qual as luzes avançavam e retrocediam, fazendo piruetas, dando passos delicados, desdobrando caudas e abrindo espaço a bicadas; todo seu ser era banhado, como de novo a própria sala, pela nuvem de algum conhecimento profundo, algum lamento não expresso, e ela se via então cheia de gavetas trancadas, recheada de cartas como seus armários...” p.319-320.
WOOLF, Virginia. Contos completos. Tradução Leonardo Fróes. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

My personal perspective about the theory of psychoanalysis

My personal perspective about the theory of psychoanalysis

The influences of psychoanalysis are big in different fields of knowledge. This theory opened new discourses in the human society. Because, the human being become a complex unit (element). The theory was a revolution because, the emotional and rational feelings passed to be linked in an only physical body. In my opinion, the psychoanalysis introduced a new perspective to the studies of literature discourse, medicine. I saw some similarities of psychoanalysis with the discourse theory. Nowadays, the studies about discourses are elaborated with the use of psychoanalysis tools. For example, the subject is an ambiguous, the subject moves of a stage to other. The same example can be seen in elaboration of text. We can study literature with a focus on Freud´s ideas too. We can think about the text trough of ideas of characters, in other hand, we can think as a problematic context of production can produce characters ambiguous with unconscious crises. The psychoanalysis can go back to its origin field: medical/science. Many diseases in our contemporary world can be explained with the use of theories about ego, unconscious, Oedipus complex. Of course, that the Freud´s and Lacan´s concepts don’t solve all problems of world.  The center of all problems is the human being. And the human being won’t be a static, pale and weak character in the “real “life.

*Nota da autora:
Texto escrito originalmente como resposta de uma questão de prova na disciplina LETB26-literatura e psicanálise em 05/05/2011.
®Naiana Freitas, 28 de julho de 2011.

domingo, 24 de julho de 2011

Abraços...


Abraços....
Abraços finos e delicados. Abraços recordados. Abraços tão pouco apertados. Abraços da primeira despedida. Abraços com cheiro de confete. O abraço festa. Abraços rápidos, velozes como trem bala. Abraços de cumprimento. Abraços frac0-forte. Abraço doce. Abraço de mãe. Abraços sofisticados. Abraços grude-grude. É difícil largar. Abraço de boa noite. Abraço quero-quero. Abraço. Abraços. Abracinhos. Abração. Abraços, abraços! Abraços de amizade, abraços de carinho. Abraços de amor. Abraços de amantes. Sempre: abraços!


®Naiana Freitas, 24 de julho de 2011.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

The Analysis of a poem by Edgar Allan Poe

The Analysis of a poem by Edgar Allan Poe

Edgar Allan Poe was born in 1809. He was an American writer very famous. Nowadays, he is recognized as the father of detective fiction genre. His biography facts were so strong. In the first, he became orphan of mother. His father abandoned the family. After, he went for the university of Virginia, but he can´t study, because, he didn’t have a money. In 1835, he married Virginia Clemm. She died of tuberculosis in 1847. He tried to work in his own journal but he died in 1849. In this time, he was forty years old. The literary critic doesn’t have sure about the causes of his death.
The object of my studying is the poem: “A dream”. According with the references [1]this poem was published in 1929. This poem is part of books: “Aaraaf, Tamerlane, and Minor Poems.” This paper is divided in three parts: the structural analysis, the content analysis and why did I choose?

The Structural analysis

Before of analysis, I bring the poem:
  A Dream [2]
In visions of the dark night
I have dreamed of joy departed-
But a waking dream of life and light
Hath left me broken-hearted.

 Ah! what is not a dream by day
 To him whose eyes are cast
 On things around him with a ray
 Turned back upon the past?

      That holy dream- that holy dream,
      While all the world were chiding,
      Hath cheered me as a lovely beam
      A lonely spirit guiding.

      What though that light, thro' storm and night,
      So trembled from afar-
      What could there be more purely bright
       In Truth's day-star?


The poem “A dream” has a rhythmic chain. There is an impression of movement, or a presence of sound. The poem is constructed with the use of synonymic terms, as ray, beam, cheer, joy. This exercise shows us the creativity of author. There is a symbolic use of terms in the poem. For example; the words and the repetition of some words give us an intensity of a turmoil dream. The sentence “That holy dream- that holy dream” confirms that the poem is a matter. In other words, the dream is a abstract substance and in the same time a concrete material. Here, there is a space for a ambiguous interpretation.  The poem, of course, has rhymes in all stanzas. There are metaphors too. For example, the uses of symbolic words give us this impression. There is smile too. As we can see in: “Hath cheered me as a lovely beam”

The content analysis

In my opinion, the atmosphere of poem shows us an image of a nightmare. Because some terms as dark, night, spirit, storm remembered this atmosphere. This kind of poem has features Allan’s Poe literary works. I suppose that the persona awake up in the middle of night and many past memories appears in its mind.  But, the lyric voice doesn’t want to remember about the ancient facts. Therefore, we can see the sensation of a “broken-hearted”. This impression involves bad feelings. In the same time, I thought, that despite of the persona appears to sleep (before wake up). It isn’t sleep. In this moment arise a doubt about the stage of sleepy. For example, in the sentence: “Ah! What is not a dream by day”. The “dream” arises as holy. I think that the idea of holy isn’t the same idea of religious theories. The holy dream gives an impression of mystery. The dream is holy because It reveals some memories of past. These memories were blocked by persona. The visions are fast and slow in the same time. They are strong as a ray and fast too. But the ray also is “lovely”, “calm”. I think that the persona in this passage recognize the importance of your memories, because there is “a lonely spirit guiding” it at night.  But, in the last stanza the lyric voice goes back the original idea of far of night. The life of author is very sad and his experiences are into his literary works.

Why did I choose?

When I read the title of some poems, I was doubt between two poems: “A dream” and “Alone”. In the first moment, I focused in the titles because I could link the ideas of poem with the psychoanalysis theory. The terms alone and dream remembered the Freud theories. Therefore, I linked the poem “A dream” with confuses ideas and oppressed feelings. I think that the fragmentation of facts, the doubts, and the resistance of persona believes in its dream or not, are also idea of psychoanalysis. I preferred the poem “a dream” because it is more reflexive and it’s less sad. According the references, the second poem (Alone) was written when the Poe´s mother died.

[1] According with the site Wikipedia. Available in: http://en.wikipedia.org/wiki/Poems_by_Edgar_Allan_Poe. May, 23, 2011.
[2] Available in: http://www.poetryloverspage.com/poets/poe/dream.html
[3] I put this poem in the end of text. 


® Naiana Freitas,22 de julho de 2011.

Injustiça!!!

Injustiça!!!Injustiça!!!Injustiça!!!Injustiça!!!Injustiça!!!
Injustiça!!!Injustiça!!!Injustiça!!!Injustiça!!!Injustiça!!!
                  
                                 Injustiça!!!


®Naiana  Freitas,22 de julho de 2011.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Apreciação obra: O que pensam os alunos sobre a escola noturna de Vilma Abdalla.

ABDALLA, Vilma. O que pensam os alunos sobre a escola noturna. São Paulo: Cortez, 2004. (Coleção questões da nossa época). Vol.110.

A obra relacionada ao público da EJA que procurarei fazer uma breve apreciação chama-se: O que pensam os alunos sobre a escola noturna. De autoria de Vilma Abdalla. O foco do livro é o ensino médio noturno.  Em relação ao tamanho e o número de páginas o livro aparentemente pode causar a exclamação: que livro fininho!  Mas quanto ao conteúdo, o livro foge ao estereótipo. Porque contêm de forma suave reflexões acerca da escola e dos alunos da EJA subsidiados por teóricos bem fundamentados. O que pensam os alunos sobre a escola noturna está dividido em quatro capítulos. Eles são intitulados: O começo, O meio, O entre e O quase fim: analisando as questões principais. O tom que percorre todo o texto é de caráter íntimo, biográfico em certo ponto, porque Vilma Abdalla o escreve a partir de suas experiências pessoais dentro do ambiente escolar. O livro é composto por relatos, depoimentos dos próprios alunos sobre alguns temas-chave como relação entre professores e alunos, violência, mau comportamento, evasão escolar etc.. Esse texto possuirá como modelo narrativo o estilo apresentado no livro, porque tenho uma profunda simpatia por este modo de narrar, com o uso da primeira pessoa. Como grande parte dos textos teóricos utilizados na disciplina focam no sujeito e na percepção que este tem do mundo, optei novamente por este estilo de apresentação.
No primeiro capítulo, O começo, Vilma Abdalla, com 15 anos de experiência com a docência da Educação de Jovens e adultos, desenvolve os motivos que a levaram a escrever o livro. O mês de início é novembro de 2000. O embrião do livro é a sua dissertação de mestrado. Neste mesmo capítulo ela elabora uma metáfora na qual a escola é comparada a um transatlântico. Assim vários questionamentos são elaborados: “[...] com suas janelas iluminadas, a escola faz lembrar um grande transatlântico navegando com suas luzes acesas, num mar escuro.” Para onde estaremos indo?”[...] Esse navio tem rumo? E será que é o rumo certo? Para onde será que esses alunos passageiros querem ir? Será que o rumo traçado pelos tripulantes é melhor para esses passageiros? Em que porto esse navio vai dar com os costados?” (ABDALLA, 2004, p.10)

  
****Nota da autora:
Esse texto  foi elaborado para a  disciplina EDUC291-EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS,UFBA 2011. Só postei a introdução e o primeiro paragráfo de meu texto.Assim recomendo a leitura do livro.obrigada!

®Naiana Freitas, 20 de junho de 2011.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Fragmentos de uma história interrompida.

Fragmentos de uma história interrompida.

“[...] Para quem leu um pouco e pensou bastante nas noites de insônia é relativamente fácil dizer qualquer coisa que pareça profunda.”p.13.

“[...] mas na verdade eu não queria ficar fria desejava viver o momento até esgotá-lo.” p.17.

“[...] A ideia de que eu estava sendo feliz me enchia tanto que eu precisava fazer alguma coisa, alguma bondade, para não ficar com remorsos.”p.17.

LISPECTOR, Clarice.  História interrompida. In: LISPECTOR, Clarice. A bela e a fera. Rio De Janeiro: ROCCO, 1999.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

EU Poético: Lenise Resende



EU Poético:  Lenise Resende


O meu eu poético
é mais livre que eu:
- ama a quem eu não posso
- agride a quem eu não devo
- faz o que não me atrevo.

O meu eu poético
é o que mostro
ou o que escondo
do mundo.

O meu eu poético
sou eu ou o outro
mas, no fundo mesmo,
 sou eu:
- querendo ser outro
- sendo o que sei que sou
ou o que desconheço ser
- sendo o que aceito ser,
ou o que enjeito.

Mas tudo do meu jeito
porque, afinal,
quem está escrevendo
sou eu.
  

Lenise Resende*

*Leia mais sobre a autora em:
http://www.lendoerelendo.com.br/menu.htm

Gostei do poema, me tocou. Não conhecia, Reinaldo Oliveira  com a sua Antologia poética de fim de semestre para a disciplina: Poética e Poesia na Literatura Brasileira, me mostrou.

 ®Naiana Freitas,18 de julho de 2011.

domingo, 17 de julho de 2011

Como disse o oráculo ,no filme Alice nos país das maravilhas, ninguém consegue nada chorando....

Como disse o oráculo, no filme Alice nos país das maravilhas, ninguém consegue nada chorando....

® Naiana Freitas,17 de julho de 2011.

Título de doutor... E a automedicação no Brasil: pobre sofre!

Título de doutor...  E a automedicação no Brasil: pobre sofre!

Ouvi a notícia que houve uma queda na compra de antibióticos no Brasil. Devido à nova lei que proíbe a venda deles sem receita. Nessa conta devem constatar também a quantidade de óbitos de gente que depende do SUS. Porque para você ser atendido em um hospital público, você precisa estar ensanguentado! Lembro-me agora de certa vez que fui ao atendimento, o médico não me perguntou nada. A sala dele parecia um almoxarifado. Havia na sala umas cinco pessoas batendo papo. Ele me perguntou umas coisinhas e marcou lá no papel. Sai de lá insuportavelmente descontrolada, se fosse outra, tinha feito qualquer coisa ilegal naquela consulta, naquele hospital. Fico aqui pensando, quando uma pessoa estiver com dor na garganta não pode comprar mais aquele remédio que conhece. Dirige-se para um hospital. Não tem médico. Ou se tiver, ele provavelmente dirá: você tem virose. Parece que para virose não há remédio... Depois, o pobre ainda leva fama de estar se automedicando. Pobre morre de fome. De doença.  Se houvessem médicos que servissem, aposto que não haveria falta de receitas... Depois querem dizer que são médicos por amor. Amor a quê? Pode haver exceções, na gramatica existem milhares, por que não nesta classe? Raro é encontrar uma exceção dessas.  No Brasil, Ser paciente é tão diferente de ser cliente. É triste, saber que você pode deixar alguém morrer e ainda culpar o doente, o governo, os astros, os blá..blá....Ás vezes dá vontade de dar uma sacudidela em um sujeito-médico desse e dizer: você estudou para que? Para ter título de doutor? Não se preocupe porque terei um também. É tanta sujeira, que nem aspirador resolve!

®Naiana Freitas, 17 de julho de 2011.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Breve percurso histórico da EJA no Brasil

Com a finalidade de se pensar a formação de professores dentro do campo da Educação de jovens e adultos é necessário trazer a discussão o contexto histórico pelo qual a Eja tornou-se efetiva como modalidade de ensino. Visto que a EJA como participante da educação brasileira constitui-se dentro da mesma sociedade.O sistema educacional fundado na colônia possuía a tutela dos jesuítas. Eles caracterizaram-se como os primeiros professores institucionalizados do país. Segundo, Viviane Kanitz, essa educação durou cerca de 210 anos, marcada pela aculturação dos nativos e pela disseminação da cultura cristã. Com o desenvolvimento da colônia e a vinda da família real para o Brasil, no ano de 1808, a colônia se modificou bastante. Esta passou a ser mais urbanizada. Por conta disso, foi necessário a organização do ensino colonial. Com a modernização havia a necessidade de trabalhadores qualificados. Assim, a escola passou a educar para a vida e para o trabalho. Em 1854 surgiu à primeira escola noturna e em 1876, eram 117 escolas por todo  o país.No início do século XX com o fim da primeira guerra mundial ocorreu um incremento urbano na sociedade brasileira e uma ascensão social da pequena burguesia que constituía o país. Assim: “Após a Primeira Guerra  Mundial,  com  a  industrialização  [...]uma pequena burguesia exigem  o acesso à educação,  esses segmentos  aspiram por uma educação acadêmica e elitista, enquanto que o restante da população continua analfabeta e inferiorizada.”( GENTIL,p.3). Esse fato torna possível observar o desfavorecimento da classe trabalhadora em relação a sua formação educacional.Após a Revolução de 30 se inicia no Brasil um processo de “consolidação de um sistema  político de educação elementar  no país”(Idem). Porque mudanças de caráter social, politico e urbano provocaram a elaboração de medidas para um sistema educacional para a população. As demandas por trabalhadores qualificados aumentaram e em consequência a exigência de trabalhadores que manipulassem as máquinas das fábricas com perfeição.Na década de 40 do século XX, a educação como um todo no Brasil, recebeu melhorias através de politicas voltadas para o campo educacional. Como por exemplo: a regulamentação do fundo nacional de ensino primário-FNEP; criação do INEP. Em consequência aperfeiçoou-se o campo da EJA com o lançamento de obras literárias para o ensino supletivo; com a campanha de educação de adolescentes e adultos-CEAA, neste caso houve a promoção de material didático especifico para esta modalidade de educação. Em 1947, ocorreu no país, o primeiro congresso nacional de educação da EJA e em 1949 o seminário interamericano da EJA.No Início dos anos 60, a educação brasileira e em particular o campo da EJA recebeu a inspiração das teorias de Paulo Freire: “Segundo  Paiva, esse  educador  constituiu  uma proposta de mudança  radical na educação e objetivos de ensino, partido da compreensão de que  o  aluno não  apenas sabe da  realidade  em  que  vive,  mas  também participa de sua transformação.”(Idem).Outros acontecimentos após a década de 60 do século XX trouxeram modificações no campo da EJA entre elas podemos citar, negativamente a estagnação da EJA durante o período militar e positivamente a Constituição de 1988 com os avanços no campo da educação.Assim, os períodos assinalados durante o percurso histórico da EJA no Brasil permitem refletir sobre quais forram a possibilidades reais de formação de professores dentro desse contexto. Pergunta que na atualidade propõe responder quem é o “professor” da EJA?
referências:
GENTIL, Viviane Kanitz.  EJA: CONTEXTO HISTÓRICO E DESAFIOS DA FORMAÇÃO DOCENTE. Disponível: www.drearaguaina.com.br/...eja/.../texto_para_leitura_desafios_da_eja.pdf -
CORMELATO,Denise Maria. FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EJA. Disponível: www.ufrgs.br/faced/pesquisa/...eja/.../formacao_professores_eja.pdf -

Fragmento de um breve texto feito na disciplina educação de jovens e adultos- 2011.1.



® Naiana Freitas, 15 de julho de 2011







Notas sobre "Um dia a menos" Clarice Lispector.

A  minha primeira pergunta foi essa: Por que Margarida flores acordava as 4h da manhã?

"[...]ela costumava contar as coisas,por uma espécie de mania de ordem."(p.89).

[Tenho uma mania de ordem também,...mas acho que quando iniciei a contar ainda não lia Clarice ou lia?]

" [..]Mas no segundo vidro pensou pela primeira vez na vida: "eu". E não era um simples ensaio:era na verdade uma estréia. Toda ela enfim estreava."(p.93)

Foi tanto depois e tanto sim...que se tornou um dia a menos...

[acho que vou arquivar esse texto aqui..tão-tão...]

LISPECTOR,Clarice. Um dia a menos. In:LISPECTOR,Clarice. A bela e a fera. Rio De Janeiro:ROCCO,1999.


®Naiana Freitas,15 de julho de 2011

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Amizade por pontos convergentes que você nem imaginava.

Amizade por pontos convergentes que você nem imaginava.

Às vezes nos aproximamos de algumas pessoas sem sentir... E quando nós as percebemos se tornaram nossas amigas. Vários motivos nos fazem se encontrar: gosto, identificação, força, perseverança, criatividade, percepção do mundo, perseverança e companheirismo. Com elas as disciplinas, as coisas incompreensíveis da vida ficam tão-tão mais fáceis. Às vezes é aquela pessoa que você se esbarrou por acaso e que depois reaparece... Ás vezes é aquela pessoa que te achava chata, insuportável, metida, presunçosa. Já tem aquelas que você sempre viu, mas ela nunca viu você e de repente você percebe que ela se tornou sua amiga. Não por pontos divergentes como você pensava, mas sim por pontos convergentes que você nem imaginava. Sim, agora posso sentir todos vocês.

®Naiana Freitas, 13 de junho de 2011.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Tradução Poema: Oben,Geräuschlos de Paul Celan



OBEN ,GERÄUSCHLOS...


Oben, geräuschlos,die


Fahrenden: Geier und Stern.

Unten, nach allem, wir,
zehn an der Zahl, das Sandvolk. Die Zeit,
wie denn auch nicht, sie hat
auch für eine Stunde, hier,
in der Sandstadt.

(Erzähl von den Brunnnen, erzähl
von Brunnenkranz, Brunnenrad, von
Brunnenstuben - erzähl.

Zähl und erzähl, die Uhr,
auch diese, läuft ab.

Wasser: welch
ein Wort. Wir verstehen dich, Leben.)

Der Fremde, ungebeten, woher,
der gast.
Sein triefendes Kleid.
Sein triefendes Auge.

(Erzähl uns von Brunnnen, von -
Zähl und erzähl.
Wasser: welch
ein Wort.)

Sein Kleid-und-Auge, er steht,
wie wir, voller Nacht, er bekundet
Einsicht, er zählt jetzt,
wie wir, bis zehn
und nicht weiter.

Oben, die
Fahrenden
bleiben
unhörbar.

Tradução:


EM CIMA, SEM RUÍDO...

Em cima, sem ruído, os 
viajantes: Abutre e estrela. 

Em baixo, depois de tudo, nós, 
dez no número, o povo areia. O tempo, 
como que não, ele tem 
uma hora também para nós, aqui, 
na cidade de areia. 

(Conte dos poços, conte 
da coroa dos poços, da roda dos poços, dos 
reservatórios dos poços - conte. 

Conte e conte, as horas, 
também essas, expiram. 

Água: que 
palavra. Nós entendemos você, vida.) 

O estrangeiro, desconvidado, para onde
o forasteiro. 
Seu traje molhado. 
Seu olho molhado. 

(Conte-nos de poços, de - 
Conte e conte. 
Água: que 
palavra.) 

Seu traje-e-olho, ele fica, 
como nós, cheio de noite, ele mostra 
juízo, ele conta agora 

até dez, como nós, 
e não continua. 

Em cima, os 
viajantes 
continuam 
inaudíveis. 

Tradução: M.A.S. 07/07/2011[publicãção autorizada]
Gostei do poema, daria uma boa análise através da perspectiva psicanalítica. Muito bom.
®Naiana Freitas, 12 de junho de 2011



segunda-feira, 11 de julho de 2011

sábado, 9 de julho de 2011

As palavras: “Violentam, enlouquecem ou me fazem dormir /Adoecem, curam ou me dão limites"(Vanessa da Mata)

As palavras: “Violentam, enlouquecem ou me fazem dormir /Adoecem, curam ou me dão limites"(Vanessa da Mata)

O título da postagem: “Violentam, enlouquecem ou me fazem dormir/Adoecem, curam ou me dão limites”... Achei tão-tão a frase que não resisti e postei. As aspas indicam que estas palavras não são minhas... Elas são versos da música palavras cantada por Vanessa da Mata. Cada linha desta canção esconde uma reflexão, faz pensar e ao mesmo tempo sentir. Abaixo, copiei e colei as palavras da música inteira. O que seria de mim sem palavras? Sempre me pergunto. [A canção combina com meu blog! J]
As Palavras/Vanessa da Mata/Composição: Sereia de Água Doce (Vanessa da Mata)
As palavras saem quase sem querer,
Rezam por nós dois.
Tome conta do que vai dizer.
Elas estão dentro dos meus olhos
Da minha boca, dos meus ombros
Se quiser ouvir
É fácil perceber

Não me acerte
Não me cerque
Me dê absolvição
Faça luz onde há involução
Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
Reabilite o meu coração

Tentei
Rasguei sua alma e pus no fogo
Não assoprei
Não relutei
Os buracos que eu cavei
Não quis rever
Mas o amargo delas resvalou em mim
Não me deu direito de viver em paz
Estou aqui para te pedir perdão

Não me acerte
Não me cerque
Me dê absolvição
Faça luz onde há involução
Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
Reabilite o meu coração

As palavras fogem
Se você deixar
O impacto é grande demais
Cidades inteiras nascem a partir daí
Violentam, enlouquecem ou me fazem dormir
Adoecem, curam ou me dão limites
Vá com carinho no que vai dizer

Não me acerte
Não me cerque
Me dê absolvição
Faça luz onde há involução
Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
Reabilite o meu coração.
*******
letra e vídeo disponível em:http://letras.terra.com.br/vanessa-da-mata/1756160/
 ******
®Naiana Freitas,09 de junho de 2011. 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Eu não sou deputada estadual para ter 90 dias de recesso!

Eu não sou deputada estadual para ter 90 dias de recesso!

FÉRIAS OU RECESSO?EIS A QUESTÃO!!


®naiana freitas,08 de junho de 2011.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

O sonho que esqueci, não encontrei.

O sonho que esqueci, eu não encontrei.
Na ausência de sonhos, lembrei-me daquele que escrevi em um pedaço de papel. Eram tantos, uma lista enorme, acompanhados por pequenos xis e vês. Uns realizei. Os seus talvez, aliás, muitos dos nossos. Agora, lembrei: guardei-o em uma caixa o sonho com açúcar. Abri o guarda-roupa e nele tantas caixas existiam. Caixas grandes, pequenas, rosas, com fitas, com pincéis, roxas com flores amarelas. Algumas nossas: secretas. Uma infinidade de caixas, de modelos. Louca, resolvi abrir todas, uma por uma, despejei-as. Despejei todas as lembranças para fora. Mas, o pedaço de papel, com o sonho que esqueci, eu não encontrei. No desencontro descobri que existe  uma caixa vazia para aquele novo sonho que te contei.
®Naiana Freitas, 04 de julho de 2011.