sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Sobre o filme: “Além da sala de aula” ou “Beyond the Blackboard”

Sobre o filme: “Além da sala de aula” ou “Beyond the Blackboard”


Por estes dias, assisti ao filme “Beyond the Blackboard”[em português :Além da sala de aula]. Esse é um daqueles longas-metragens que sempre gosto de assistir, porque sinto vontade de mudar o mundo e posso ainda ouvir do narrador a frase: baseado em fatos reais. Além disso, este filme nos remete ao ambiente escolar e as suas dualidades.   Se existe um espaço que conjuga toda espécie de sentimentos ao mesmo tempo é a estrutura de ensino.  Podemos obter um colérico ou um sereno dia diante de uma mesma turma. Podemos ficar de galho em galho entre uma escola e outra e no fim do dia ganhar uma frustação ou um contentamento em relação ao desenvolvimento de seu trabalho.
 “Além da sala de aula” conta-nos a trajetória de uma professora recém-formada e sua primeira experiência como docente em uma escola sem nome e sem identidade. Uma escola depósito, uma escola temporária para sem-teto nos Estados unidos. Stacey Bess, a protagonista, tem uma vida pessoal narrada à moda Disney, pois ela tem filhos, marido, só falta-lhe o cachorro... Mas, voltando à carreira profissional de Bess, ela consegue transpor as barreiras da pobreza, descaso, má vontade com maestria. Seu único instrumento: o estudo, ou o caminho que podemos percorrer para encontrá-lo. Busca nem sempre fácil, especialmente para o público de crianças que frequentam as aulas de Stacey em uma espécie de acampamento com poucos quartos e galpões.
A minha crítica insolente, disse para mim todo o tempo “esse enredo é igual a tantos outros que você já assistiu”, como: “Escritores da Liberdade”, “Meu mestre minha vida”, “Mentes perigosas”, mas minha teimosa vontade dissipou as farpas julgadoras e fui às lágrimas como sempre com esse gênero de história.  Stacey Bess torna-se uma heroína para todos aqueles ao seu redor. E neste caso, até para o país, pois recebe prêmios e reconhecimento pelo trabalho realizado. Longe de pensar que no Brasil um percurso assim, promova reconhecimento. Cada dia que passa a carreira de professor do ensino regular, aqui, está ao relento.
Após o fim do filme, só consegui pensar: Minha esperança: é o estudo. Se existe algo em que acredito é nas escadas do conhecimento. E que essa minha esperançazinha continue verdinha mesmo depois de graduada.

©Naiana Freitas, 06 de janeiro de 2012.




4 comentários:

  1. muito bem colocado, devemos fazer que todos os futuros professores assista.
    Mariley

    ResponderExcluir
  2. Nunca desista de seus sonhos! Aliás, nunca desista de TER UM SONHO a ser realizado. Siga adiante! Forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. isso me faz pensar de como devemos reagir dentro da sala de aula, tanto na posição de aluno, como em posição de professor!
    é triste saber que nossa educação de hoje esta precaria, mais se começarmos a ver com outros olhos, podemos mudar muitas situações, esse filme é otimo motivador...

    ResponderExcluir
  4. Esses filmes, principalmente escritores da liberdade, nos mostra que é possível mudar a nossa realidade, basta dedicação, compromisso e amor.

    ResponderExcluir

Obrigada!!!