domingo, 13 de maio de 2012

Fragmento/Perto do coração selvagem


“[...] Joana nem sabia o nome dele... Não desejara sabê-lo, dissera-lhe: quero te conhecer por outras fontes, seguir para tua alma por outros caminhos; nada desejo de tua vida que passou, nem teu nome, nem teus sonhos, nem a história do teu sofrimento; o mistério explica mais que a claridade; também não indagarás de mim o que quer que seja; sou joana, tu és um corpo vivendo, eu sou um corpo vivendo, nada mais.”

LISPECTOR, Clarice. Perto do coração selvagem. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. p.188.

Um comentário:

  1. Gostei de mais dessa postagem, sou eu Leonardo ou pode se dizer Matheus Rogério. Parabens ótima postagem. Suas postagens são ótimas quando o assunto é expressar a verdade e o sentimento.

    ResponderExcluir

Obrigada!!!