domingo, 7 de setembro de 2014

Viva a independência do Brasil! Viva a condição indispensável de colonizados!

Neste 7 de setembro, temo pelo Brasil...a olhos vistos a horda evangélica avança...Em uma engraçada apropriação, de ações, emprestada dos cristãos velhos. Mas, creio que este meu temor é apenas individual, eu que devo estar vendo a praga... Todos estão vendo a salvação. Sem dúvida, é pela fé que se sustenta esse edifício fragilíssimo chamado religião... E com fé não discuto, porque na lógica ela é a portadora de todas as dissensões do mundo.  Esse meu texto é um exemplo de fé genuína, porque acredito absolutamente no que estou escrevendo agora. Viva a independência do Brasil! Viva a condição indispensável de colonizados!  Sem esta característica os políticos brasileiros já estavam ferrados!



Naiana Freitas, 07 de setembro de 2014.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Uma atitude egoisticamente plena: o voto é meu, faço o que quero e não voto em idiota.

Eu odeio políticos e odeio a frase: O povo tem o político que merece! Eu queria saber que político é que tem para escolher, porque não vejo escolha. Não existe opção... Aliás, existe aquela de não votar em nenhum destes parasitas... Mas, as pessoas tem medo de realizar tal artimanha... Pensam que estão desafiando Deus ou o Diabo... Porque no fundo, a descrença nestes homens e mulheres bem intencionados é geral.  Durante três semanas tenho escutado, nos engarrafamentos da vida, frases de pessoas dizendo: “Que odeiam políticos, não prestam, só aparecem na eleição e no bordão.” Mas, o medo de votar em nenhum é tão paralisante, que as pessoas votam no primeiro inútil que aparece com o sorriso amarelo. E sendo assim, não é difícil encontrar um inútil para ser votado. Logo, olha a inutilidade macro zumbizando pelo Brasil a fora... Político para mim é um ser inútil... Não fez nada da vida, mas deseja um cargo público vitalício sem realizar nenhuma marcação em gabarito... E, eu que já estudei tanto e continuo achando que nada avancei, preciso responder provas sem noção para conseguir um emprego público... Da mesma forma que odeio político e a frase... Eu odeio o dogmatismo, a doutrinação, ou melhor, qualquer pressuposto de verdade... Então, outras pessoas acreditam em voto, divisão partidária... E, eu fico feliz. Quem sabe isso é até melhor mesmo? Acreditar? Esse texto é apenas um pensamento cutucador particular. Cada um sabe o que faz com o seu voto “democrático”, ou melhor, com o seu “direito”... Eu estou fazendo alguma coisa com o meu ódio... Pelo menos não apontei uma arma para alguém e disse a frase: “passa logo, que eu tô cheio de ódio” como me disseram há uns meses atrás quando assaltada fui... Então, cheia de ódio diante desses inúteis, INÚTEIS, INÚTEIS... Eles merecem de mim, uma atitude egoisticamente plena: o voto é meu, faço o que quero, e não voto em idiota, logo se todos são... O meu voto é de nenhum! Reluto sempre em opinar em público, porque para mim isso não tem efeito nenhum... É verdade, tem validade pessoal... Implicação social nenhuma...  Mas, como o pensamento fica sempre cutucando, cutucando... Resolvi escrever para descutucar...


Naiana Freitas, 05 de setembro de 2014.