sábado, 22 de novembro de 2014

O que é romper o silêncio...

Uma tímida como eu sabe muito bem o que é romper o silêncio... Tarefa similar a lapidar rochosos pedregulhos... Exercitar todos os músculos flexionando um peso de uma tonelada... Esse exercício íntimo, ninguém no mundo inteiro perceberá, jamais perceberá... Então, as explicações são superficiais como estas palavras... Do meu centro o que irradia é a inteira certeza de que sou fruto da minha artimanha: em um dia qualquer, no ensino médio resolvi levantar a mão para externar o  que pensava....Esse foi o gatilho desencadeador do processo no qual estou inteiramente submersa neste momento. Submersa e em movimento... E, por isso, cada dia mais escapo das comparações e das interferências nefastas de terceiros. O que desejo aos meus ilustres e inteligentíssimos amigos introvertidos como eu? Se esforcem para não permitir que “um outro”- tolo - fale por você...tornando vocês  coadjuvantes nesse teatro de loucos e de vozes dissonantes... Satisfaço-me em ser sozinha no sentido bem amplo: associo-me e dissocio-me ao mesmo tempo... Isso para mim é ter liberdade... Logo, identidade.


Naiana Freitas, 22 de novembro de 2014.

sábado, 8 de novembro de 2014

Os meus olhos...


Hoje, três imagens trouxeram frescor ao meu dia. Três imagens poesia: primeiro vi três garis risonhos recolhendo o lixo bem de manhãzinha. Segundo, vi um pai surdo conversar com sua filha, de seis anos de idade, através da linguagem de sinais. Terceiro, vi um Husky Siberiano com o pelo branco esvoaçando pela avenida... Lindo e alegre levava o seu dono... E, só vi tudo isso graças aos meus olhos.Olhos que resistem a essa brutalidade que chamamos vida... Estes mesmos olhos que fotografam...



Naiana Freitas, 08 de novembro de 2014