quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

O que é beleza? Ou qual a melhor forma da beleza se apresentar?


No início da semana li a frase “Não é insatisfação por elogios” (p.44) escrita por Clarice Lispector em uma carta no livro Correspondências (2002). E pensei, eureca! É bem isso que estou sentindo com aquela foto do perfil no Facebook. Como assim? Desde que postei a foto tenho recebido “n” elogios... E passei a me perguntar o que é beleza? Ou qual é a melhor forma da beleza se apresentar? 
Estas reflexões passaram a ganhar contornos de incômodo, não que esteja recuando dos elogios porque fazer isso seria assinar uma opinião hipócrita e vazia como fazem as modelos/artistas: “eu não sou bonita”... E, não sou muito dada a hipocrisias... O que posso afiançar é que a recepção à foto gerou susto, e passei a me perguntar sobre a lógica das “curtidas”. Será que eu não existia antes desta foto? Então, você só se torna linda quando entra na lógica das curtidas, ou a melhor forma de ser bonita é estar dentro dos padrões de curtidas. Então, imagina quem esta fora das formas da beleza aceitas? Ou pior quem não se acha bonito? 
Pior de tudo isso é saber que certas empresas pedem a foto no currículo e que você é selecionado por ser negra, branca, gorda, magra, baixa, FEIA ou BONITA... Que lógica é esta a que estamos expostos e desejamos estar expostos diariamente para sermos vistos pelos amigos, pelos inimigos, pelos simpatizantes na rede? É um preço caro que se paga, mas parece que em geral as pessoas não percebem como somos umas “cobaias” nessa experiência diária do narcisismo compulsivo.
E, esta rede narcisística nos enreda em um labirinto que quando você deseja sair já se encontra bem longe, alimentando-se de “curtidas” para permanecer no “feed de notícias”, naquele lugar, embora falso, de ser querido, de ser amigo, de ser o mais bonito, de ser o que mais popular... Meu texto como bem disse Clarice Lispector (2002) não é uma espécie de “insatisfação por elogios”, é uma reflexão de alguém que sabe que beleza não põe mesa e que no mundo as pessoas vivem suas vida nada glamorosas e não vejo nenhum problema nisso...Só sei que no meu mundo eu não quero estar bonita, eu quero ser bonita e na segunda opção a velhice, a maquiagem, o cabelo, a roupa, o instante fotografado não tem vez.

Naiana Freitas, 29 de janeiro de 2017.